segunda-feira, 11 de julho de 2011

Morangos Mofados - Caio Fernando Abreu


“[...] tem coisa mais autodestrutiva do que insistir sem fé nenhuma?” (p.14)

É um livro que, do modo particular, retrata os sentimentos humanos. Ele fala sobre as razões pelas quais alguém começa a amar outra ou achar que ama, da angústia pela espera de alguém que venha te trazer a tal da felicidade, da solidão, das tentativas de querer ser compreendido e ser correspondido pelo que sente, e do sentimento sufocante que causa isso não acontecer. Morangos Mofados é então composto por dezenove contos que trazem a história de casais comuns, vivendo crises ou tentando se encontrar em meio ao que restou do amor.

Um casal que há muito tempo vive junto, mas que no fim acabam por descobrir que sentem atração por pessoas do mesmo sexo, tanto ela quanto ele, mas ainda não encontram coragem de revelar isso ao parceiro por simples costume de estar com o outro (conto: Os Sobreviventes).  Tem aquele que vai ao encontro da pessoa que ama convicto de que será um encontro perfeito, só que era apenas ilusão, pois o outro nem sabia do seu amor (conto: Além do Ponto). Duas mulheres, de diferentes tipos, mas que a seu modo esperam pela mesma coisa, o amor de alguém que as façam felizes (conto: Fotografias). O fim de um casamento pela ausência da essência colorida e mágica que os uniu (conto: Caixinha de Música). A incompreensão da amizade ou mesmo do que é diferente (conto: Aqueles dois). E por fim, o conto título do romance, Morangos e Mofados, falam do homem que sente um gosto de morango mofando na boca, e não sabe o porquê, mas que no fim consegue superar sua própria angústia.

A escrita prende o leitor, mesmo que no inicio de alguns contos seja confuso entender, mas se tem aquela expectativa de chegar ao final do e descobrir o que os personagens vão fazer. São contos curtos, e que transmitem mensagens claras para quem estiver atento nas entrelinhas. No mais, Morangos Mofados pode não entrar na lista dos seus favoritos, mas é uma boa leitura e supera preconceitos que se possa ter se apenas se restringir a lê-lo por causa do título, talvez pelo fato de que os casais apresentados se aproximam bastante do real.

“[...] qualquer coisa como seria tão bom se pudéssemos nos relacionar sem que nenhum dos dois esperasse absolutamente nada, mas infelizmente, insistirás, infelizmente nós, a gente, as pessoas, têm, temos - emoções. Meditarias: as pessoas falam coisas, e por trás do que falam há o que sentem, e por trás do que sentem há o que são e nem sempre se mostra. Há os níveis não formulados, camadas imperceptíveis, fantasias que nem sempre controlamos, expectativas que quase nunca se cumprem e sobretudo, como dizias, emoções. Que nem se mostram.” (p. 85)

Apreciação: 3

[Sendo: 1-Ruim; 2-Regular; 3-Bom; 4-Muito bom; 5-Adorei]

Dados técnicos:

Autor: Caio Fernando Abreu
Editora: Agir
Páginas: 124

3 comentários:

  1. Não sou muito fã de livros de contos, prefiro um livro de uma só história, apesar de quê minha mãe tem vários livros recheados de contos e crônicas aqui em casa. Acho interessante quando o enredo do livro trata de temas conflitantes e atuais, e parece que foi exatamente isso que o Caio fez, parece um ótimo livro para se dar de presente - já que não faz muito o meu estilo :/ Parabéns pela bela resenha, bem sucinta!

    ;* http://livrosletrasemetas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou da resenha, obrigada. Abraços

    ResponderExcluir
  3. OI Iza!

    Sua resenha me conquistou já no início!Eu gosto de ler sobre sentimentos e reações humanas. Estudar oq a mente é capaz de produzir diante de certas situações conflitantes. Com certeza, fiquei curiosa!

    BjoO
    Pri
    Entre Fatos e Livros

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opnião sobre a resenha ou do blog!!